terça-feira, 11 de outubro de 2011

carta.


Planeta R-12, 3 meses e 29 dias como habitante.

Caro amigo,
Tenho passado por coisas muito boas, você não sabe por onde tenho andado, encontrei um novo planeta, nomeei-o com o nome do meu robô, aqui é tudo muito vibrante todas as cores e sons. Tudo tem sentido, sim meu amigo, é aquilo que tanto procurávamos: o recíproco. Se eu me pergunto se é verdadeiro? Já passei dessa fase, agora me pergunto se um dia irei voltar ao que era antes, mesmo assim, não me preocupo nem um pouco com isso.
Esse novo planeta possui tudo aquilo que você queria, aqui sempre tem uma brisa que acalme os tornados em seu cérebro, um mar enorme e azul acinzentado onde você pode navegar em noites calmas e lutar com sua fúria, um deserto quente que você pode fugir de seus medos e angústias e um sol que ilumina todo o tempo, que ao mesmo tempo queima e arde sem se ver.
Venho descobrindo cada vez mais desse planeta meu grande amigo, você sabe, sou um medroso e tenho receio do que ainda tenho para descobrir, mas a cada dia que ando por aqui, cada momento que passo pelas florestas escuras, eu percebo que estou amando esse lugar. Não quero ficar procurando outros, ele é único, toda sua fauna e flora me encantam. Tudo bem que você sabe que eu tive sorte de não ter que ficar procurando muito, achei este ao acaso.
Sinto saudades do tempo que a gente possuía tempo para conversar, lembra-se dos dias na Terra? Por falar nisso, como estão as coisas nesse lugar? As pessoas ainda acham que relógios digitais é uma grande ideia? Tenho vontade de dar uma passada por aí, mas não quero perder esse meu planeta. Mande um abraço para toda sua família, obrigado por ainda se preocupar comigo, espero mesmo que você encontre seu planeta, ele pode estar perto da Via Láctea mesmo.

Afetuosamente,
Michael Maia, antigo explorador de planetas.